Docência na Educação Superior

implicações para aprendizagens significativas e para a efetividade formativa de novas gerações

  • Bernardete A. Batti

Resumo

Embora boa parte dos docentes do ensino superior tenha sua identidade profissional construída em torno de sua área de conhecimento, na educação superior eles são necessariamente professores. A ambiguidade de suas identidades (biólogo e/ou professor; físico e/ou professor; sociólogo e/ou professor...) aparece nos estudos realizados com os docentes desse nível educacional. (ZABALZA, 2004; FERREIRA, 2010) Alguns têm maior clareza de seus papéis e funções e se identificam, por exemplo, como biólogo-professor, professor-médico, professor-engenheiro, ou, também, “sou assistente social e professora”, “sou médico e professor”, evidenciando uma integração identitária que é mediada por uma construção consciente de sua inserção social. Esse posicionamento mostra também o grau de consciência social quanto a suas responsabilidades como cidadão e trabalhador (...)

Biografia do Autor

Bernardete A. Batti

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade de São Paulo e Doutorado em Psicologia - Universite de Paris VII - Universite Denis Diderot, com Pós-Doutorados na Université de Montréal e na Pennsylvania State University. Docente aposentada da USP, foi professora do Programa de Pós-Graduação em Educação: Psicologia da Educação da PUC-SP. Simultaneamente foi Pesquisadora Senior na Fundação Carlos Chagas, aí exercendo os cargos de Coordenadora do Departamento de Pesquisas Educacionais e de Superintendente de Educação e Pesquisa. Foi membro e presidiu o Comitê Científico - Educação do CNPq e foi coordenadora da área de Educação da CAPES. Atuou como Consultora da UNESCO e de outros organismos nacionais e internacionais. Em 2014 assumiu como Diretora Vice Presidente da Fundação Carlos Chagas, orientando e respondendo pelas ações do setor de Pesquisa e Educação. Participa de comitês científicos de várias revistas nacionais e internacionais. Membro titular da Academia Paulista de Educação (Cadeira nº 27). Suas Áreas de Pesquisa são: Formação de Professores, Avaliação Educacional e Metodologias da Investigação Científica. Em 2016 foi eleita Presidente do Conselho Estadual de Educação de São Paulo.

Referências

AMORIM, M. J. V.; BERCHT, M. O uso da webcam na educação. Novas Tecnologias na Educação. CINTED-UFRGS. Disponível em: ser.ufrgs.br/remote/article/viewFile/13598/8844. Acesso em: 17/12/2018.
CARVALHO. J. S. Os ideais da formação humanista e o sentido da experiência escolar. Educação e Pesquisa, v.43, n. 4, 2017, p. 1023-1034.
CUNHA, M.I.; Zanchet, B.; RIBEIRO, G.M.. Qualidade do ensino de graduação: cultura, valores e seleção de professores. Praxis Educativa, v. 8 p. 219-243, 2013.
DUSSEL, I. A transmissão cultural assediada: metamorfoses da cultura comum na escola. Cadernos de Pesquisa, v. 39, n. 37, p. 351-365, 2009.
FERREIRA, V. S. As Especificidades da Docência no Ensino Superior. Revista Diálogo Educacional. Curitiba, v.10, n.29, p. 85-99, jan/abr 2010.
FRIGO, L. B.; BITTENCOURT, G. "MathTutor: Uma Ferramenta de Apoio a Aprendizagem" Anais do XXII Congresso da Sociedade Brasileira de Computação XWEI, Florianópolis, 2002.
GARIN, E. L'éducation de l'homme moderne. Paris: Fayard, 2003.
GATTI, B. A.; BARRETTO, E. S. S. ; ANDRÉ, M.E.D.A.; ALMEIDA, P. C. A. Professores do Brasil: Novos Cenários de Formação. Brasília: UNESCO, 2019.
GATTI, B. A. Quem educa o educador? In: RODRIGUES, M. L. (Org.) O ensino superior e a formação docente em serviço social. Curitiba: Appris, 2019, p. 29-41.
PENNAC, D. Diário de Escola. Rocco: Rio de Janeiro, 2008.
PICANÇO, F. Juventude e acesso ao ensino superior: novo hiato de gênero? In: ITABORAÍ, N, R.; RICOLDI, ARLENE M. (Org.). Até onde caminhou a revolução de gênero no Brasil? Implicações demográficas e questões sociais. Belo Horizonte, MG: Abep, 2016. p. 117-132.
POZZEBON, E. Tutor inteligente adaptável conforme as preferências do aprendiz. Dissertação (Mestrado em Ciência da Computação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.
POZZEBON, E.; FRIGO, L.B.; BITTENCOURT, G. Inteligência artificial na educação universitária: quais as contribuições? Disponível em: https://06486feb-a-62cb3a1a-sites.googlegroups.com/site/professorrn6/computacao/A7nabPzZT7nkF60MZHW0uVnmDwmG6-imJq5N3S6d_&attredirects=0. Acesso em: 15/01/2019.
PUENTES, R. V.; AQUINO, O.F. Desafios na profissionalização da docência universitária: entre a privacidade das práticas, a autonomia exagerada e fragilidade das práticas, a autonomia exagerada e a fragilidade dos mecanismos institucionais. Educação e Filosofia, v. 24, n. 48, p. 473-298, jul./dez. 2010.
RODRIGUES, N. Responsabilidade do estado e da sociedade. Tecnologia educacional, v. 20, n. 101, p. 12-19, 1991.
SETZER, V. W. Dado, informação, conhecimento e competência. In: Meios Eletrônicos e Educação: uma visão alternativa. Cap. 11, 2014. Disponível em: http://www.ime.usp.br/~vwsetzer/livro-meios.htm. Acesso em: 09/04/2019.
SPÓSITO, M. P.; CARRANO, P. C. R. Juventudes e políticas públicas no Brasil. In: DÁVILA LEON, O (org.). Políticas públicas de juventude em América Latina. Chile, Viña del Mar: CIPDA, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n24a03. Acesso em: 08/04/2019.
VEIGA, I. P. A. Formação de professores para a Educação Superior e a diversidade da docência. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 14, n. 42, p. 327-342, maio/ago. 2014.
VILLIBOR, F. F.; FREITAS, G.C.de; MACHADO, R. M. F. R.; MELO, M. A. de. A indisciplina e o docente no ensino superior. Revista Cereus. v. 7, n. 3, set/dez. 2015, p. 70-84.
ZABALZA, M. O ensino universitário: seu cenário, seus protagonistas. Porto Alegre: Artmed, 2004.
Publicado
2019-09-14
Seção
Artigos