Humanizar o humano

entre o desprezo e a dignidade

  • Cleide Rita S. Almeida
  • Mariangelica Arone
  • Alexsandro Junior de Santana

Resumo

Este artigo discute a falta de cuidado, o desprezo, o preconceito e a hostilidade com que são tratados os seres humanos nas múltiplas e diversas situações de vulnerabilidade e privação presentes no cotidiano, sejam eles refugiados, sejam pessoas em situação em rua, usuários de drogas, desempregados ou sem-teto, entre outros. São vistos como bichos e não como pessoas, tal qual no poema de Manuel Bandeira (1970), que denuncia a miséria e o sofrimento de um ser humano que se encontra menor que um rato pela voracidade que o faz engolir qualquer comida do lixo sem examinar. A empatia do poeta com a cena provoca a reflexão sobre um problema há muito tempo presente na nossa realidade, e recorrente não só no Brasil como no mundo: a fome (...)

Biografia do Autor

Cleide Rita S. Almeida

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Docente e pesquisadora do PPGE/Uninove.

Mariangelica Arone

Doutora em Educação pela Uninove e pesquisadora do GRUPEC.

Alexsandro Junior de Santana

Doutorando em Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Nove de Julho (PPGE/Uninove).

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, D. M. Xenofobia: medo e rejeição ao estranho. São Paulo: Cortez, 2016.
ALTO COMISSARIADO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA REFUGIADOS - BRASIL. Dados sobre refúgio. Brasília, DF, jun. 2018a. Disponível em: . Acesso em: 26 ago. 2018.
BANDEIRA, M. Estrela da vida inteira. Rio de Janeiro: José Olympio, 1970.
BAUMAN, Z. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.
______. A arte da vida. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.
______. Bauman sobre Bauman: Diálogos com Keith Tester. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2011.
______. Estranhos à nossa porta. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2017.
______. Tempos líquidos. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.
BOFF, L. A águia e a galinha: uma metáfora da condição humana. Petrópolis: Vozes, 1997.
______. Saber cuidar: ética do humano - compaixão pela terra. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2000.
BUARQUE, C. Os saltimbancos. Philipis Record. 1977. CD. 12 faixas. (35.52 min)
ERCÍLIA, M.; GRAEFF, A. A internet. São Paulo: Publifolha, 2008. (Folha explica).
FREIRE, P. Educação como prática de liberdade. 22. reimpr. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.
______. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997a.
______. Política e educação. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1997b
______. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: EdUnesp, 2000.
______. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. 13. ed. São Paulo: Olho d'Água, 2003.
______. Pedagogia do oprimido. 66. ed. Rio de Janeiro; São Paulo: Paz e Terra, 2018.
O GRANDE ditador. Direção: Charlie Chaplin. Produção: Carter DeHaven e Charlie Chaplin. Distribuição: MGM. Estados Unidos, 1940. Película, 124 min.
GRIMM, J.; GRIMM, Wilhelm. Os músicos de Bremen. In: O mundo da criança: em quinze volumes. Vol. 3: Histórias de fadas. Tradução e adaptação Vera Braga Nunes. Rio de Janeiro: Delta, 1949. p. 43-47.
JOSAPHAT, C. Ética e mídia: liberdade, responsabilidade e sistema. São Paulo: Paulinas, 2006.
MELO NETO, J. C. de. Morte e vida Severina e outros poemas em voz alta. Rio de Janeiro: José Olympio, 1980.
MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Trad. Eloá Jacobina. 5. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.
______. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Trad. Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya. 6. ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: Unesco, 2002.
______. Introdução ao pensamento complexo. Trad. Dulce Matos. 4. ed. Lisboa: Instituto Piaget, 2003a. (Epistemologia e sociedade).
______. O método 5: a humanidade da humanidade: a identidade humana. Trad. Juremir Machado da Silva. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2003b.
______. Ciência com consciência. 9. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.
______. O método 6: ética. Trad. Juremir Machado da Silva. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2007.
______. Meu caminho: entrevistas com Djénane Kareh Tager. Trad. Edgard de Assis Carvalho e Marisa Perassi Bosco. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.
______. Para onde vai o mundo? 3. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.
______. Ensinar a viver: manifesto para mudar a educação. Tradução: Edgar de Assis Carvalho e Mariza Perassi. Porto Alegre: Sulina, 2015.
LA CROIX. A 98 ans, Edgar Morin dans "L´urgence de transmettre. 14 abr. 2019. Disponível em: https://www.lacroix.com/amp/1301008751?__twitter_impression=true. Acesso em 20 mar. 2019.
MORIN, E.; KERN, A. B. Terra-pátria. Porto Alegre: Sulina, 2000.
NAÇÕES UNIDAS NO BRASIL. A carta das Nações Unidas. Disponível em: https://nacoesunidas.org/carta/Acesso em: 28 mar. 2019.
PORTINARI, C. Retirantes. 1944. Painel, óleo sobre tela. 190 cm x 180 cm. Acervo do Museu de Arte de São Paulo.
RAMOS, G. Vidas secas. São Paulo: Martins, 1965.
ROCHA, R. Os músicos de Bremen. São Paulo: Salamandra, 2010. (Col. Conta de novo).
VELOSO, C. Quereres. In: Caetano Veloso. Velô. Poly Gram, 1984. CD, faixa 7 (2:58 min)
Publicado
2019-09-14
Seção
Artigos