Expansão do ensino superior brasileiro e diversificação do perfil discente

elementos para pensar o processo de formação em Serviço Social

  • Larissa Dahmer Pereira Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Expansão do ensino superior brasileiro, Perfil discente, Formação em Serviço Social

Resumo

O artigo objetiva apresentar e problematizar o perfil discente – com ênfase no curso de Serviço Social - que consegue acessar o ensino superior brasileiro, tanto em instituições públicas quanto privadas, associado à expansão mercantilizada desse nível de ensino, especialmente nos anos 1990 e 2000. Com base em análise documental dos Relatórios Síntese de Área – Serviço Social (INEP/MEC, 2004; 2007; 2010; 2013 e 2016), apresentamos o perfil discente do curso de Serviço Social, considerando os seguintes aspectos: (i) sexo, (ii) faixa etária, (iii) autodeclaração quanto à cor, (iv) a origem escolar, (v) escolaridade da mãe, (vi) inserção no mercado de trabalho e (vii) renda familiar.  Como achados da pesquisa, constata-se que o perfil do discente de Serviço Social mantém-se majoritariamente feminino, mas vem se alterando quanto aos aspectos socioeconômicos, constatando-se a entrada de um discente cujo perfil é mais empobrecido, o que significa, de certo modo, uma relativa democratização do acesso ao ensino superior. Contudo, esse mesmo discente encontra-se inserido majoritariamente no ensino superior mercantilizado, isto é, em Instituições de Ensino Superior (IES) privadas, mercantis e que se utilizam largamente do EaD. Por fim, destaca-se que, para uma efetiva democratização do ensino superior brasileiro, exige-se frente a esse novo perfil discente, ainda mais radicalmente, políticas públicas de acesso e permanência com qualidade e, sobretudo, a afirmação do ensino superior público, presencial, universitário e de qualidade.

Biografia do Autor

Larissa Dahmer Pereira, Universidade Federal Fluminense

Assistente social. Doutora em Serviço Social (Programa de Pós-Graduação em Serviço Social/Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ) e Pós-Doutora em Educação (Programa de Pós-Graduação em Educação/UFRJ). Coordena o Núcleo de Pesquisa e Extensão Trabalho, Educação e Serviço Social na Escola de Serviço Social da Universidade Federal Fluminense (UFF). Docente do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social e Desenvolvimento Regional – PPGSSDR/UFF. Autora de livros e artigos sobre Educação, Ensino Superior e Formação em Serviço Social.

Referências

BRASIL. Lei no 10.260, de 12 de julho de 2001. Dispõe sobre o Fundo de Financiamento ao estudante do Ensino Superior e dá outras providências. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10260.htm Acesso em 04 de fevereiro de 2019.
_______. Lei no 11.096, de 13 de janeiro de 2005. Institui o Programa Universidade para Todos - PROUNI, regula a atuação de entidades beneficentes de assistência social no ensino superior; altera a Lei no 10.891, de 9 de julho de 2004, e dá outras providências. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11096.htm Acesso em 04 de fevereiro de 2019.
_______. Decreto n. 6.096, de 24 de abril de 2007.
Institui o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais - REUNI. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6096.htm Acesso em 04 de fevereiro de 2019.
_______. Decreto nº 7.234, de 19 de julho de 2010 - Dispõe sobre o Programa Nacional de Assistência Estudantil - PNAES. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7234.htm Acesso em 03 de março de 2019.
_________. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cotas/docs/lei_12711_29_08_2012.pdf Acesso em 03 de março de 2019.
CHAVES, V. L. J.; AMARAL, N. C. Política de expansão da educação superior no Brasil - o PROUNI e o FIES como financiadores do setor privado. In: Educ. rev., Belo Horizonte , v. 32, n. 4, p. 49-72, dez. 2016. Disponível em . Acesso em 07 de março de 2019.
CUNHA, L. A. A universidade reformanda. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1988.
FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva. Um (re) exame das relações entre educação e estrutura econômico-social capitalista. São Paulo: Cortez, 2001.
___________. A produtividade da escola improdutiva 30 anos depois: regressão social e hegemonia às avessas. In: Revista Trabalho Necessário, ano 13, número 20 - 2015. Disponível em: http://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/8619 Acesso em 10 de março de 2019.
GENTILI, P. Três teses sobre a relação trabalho e educação em tempos neoliberais. In: Capitalismo, trabalho e educação. José Claudinei Lombardi, Dermeval Saviani, José Luís Sanfelice (orgs.). - 3. Ed. - Campinas, SP: Autores Associados, HISTEDBR, 2005. Coleção educação contemporânea.
GERMANO, J. W. Estado militar e educação no Brasil (1964-1985). São Paulo: Cortez, 2005.
INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA/MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (INEP/MEC). Censo da Educação Superior 2016 - Resumo Técnico. Brasília: INEP/MEC, 2016. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2016/notas_sobre_o_censo_da_educacao_superior_2016.pdf. Acesso em 09 de março de 2019.
____________________. Relatórios de Área do ENADE - Serviço Social. 2004, 2007, 2010, 2013, 2016. Disponível em http://inep.gov.br/relatorios Acesso em 07 de janeiro de 2019.
JORNAL O GLOBO (online). Professores e alunos de universidades federais fazem campanha contra corte de verba pelo MEC - Reação contra bloqueio do MEC e declarações do ministro da Educação se espalham pelos campi e pelas redes sociais. Por Luciano Ferreira (02/05/2019). Disponível em https://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/professores-alunos-de-universidades-federais-fazem-campanha-contra-corte-de-verba-pelo-mec-23637554 Acesso em 07 de maio de 2019.
MANCEBO, D.; VALE, A. A. do; MARTINS, T. B. Políticas de expansão da educação superior no Brasil 1995-2010. Revista Brasileira de Educação, v. 20, n. 60, pp. 31-50, jan./mar. 2015. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v20n60/1413-2478-rbedu-20-60-0031.pdf Acesso em 03 de março de 2019.
MOTTA, V. C. da. Ideologia do capital humano e do capital social: da integração à inserção e ao conformismo. In: Revista Trabalho, Educação e Saúde, v. 6, nº 3, 2008. http://www.revista.epsjv.fiocruz.br/upload/revistas/r225.pdf Acesso em 03 de março de 2019.
MOTTA, V. C. da; PEREIRA, L. D. Educação e Serviço Social. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2017.
NEVES, L. M. W.; PRONKO, M. A. O mercado do conhecimento e o conhecimento para o mercado. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz/Escola Politécnica Joaquim Venâncio, 2008. Disponível em http://www.epsjv.fiocruz.br/sites/default/files/l40.pdf Acesso em 11 de março de 2019.
PEREIRA, L. D. Enade no contexto de contrarreforma do ensino superior: reflexões para o Serviço Social. Temporalis, [S.l.], v. 10, n. 20, p. 137-165, ago. 2012. ISSN 2238-1856. Disponível em http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/3451 Acesso em 07 de março de 2019.
______________. Enade no curso de Serviço Social: análise dos relatórios 2004-2013. Temporalis, [S.l.], v. 16, n. 31, p. 37-78, fev. 2017. ISSN 2238-1856. Disponível em http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/12331 Acesso em 07 março de 2019.
RISTOFF, D. O novo perfil do campus brasileiro: uma análise do perfil socioeconômico do estudante de graduação. In: Avaliação (Campinas), Sorocaba , v. 19, n. 3, p. 723-747, Nov. 2014. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-40772014000300010&lng=en&nrm=iso Acesso em 03 de março de 2019.
SILVA JÚNIOR, J. dos R.; SGUISSARDI, V. Novas faces da educação superior no Brasil: reforma do Estado e mudanças na produção. São Paulo: Cortez; Bragança Paulista: USF-Ifan, 2001.
Publicado
2019-09-14
Seção
Artigos