Espiritualidade, arte e educação

novos desafios para a formação do arteterapeuta

  • Maria Cândida Moraes

Resumo

Como trabalhar conceitualmente esta tríade?  Qual o melhor caminho a ser percorrido? Busca-se um caminho onde a ciência possa dialogar com a consciência nutrida pela experiência vivencial dessas dimensões. Para tanto, é preciso que, como peregrinos, tenhamos vivenciado em nossa corporeidade todo o caminho, integrado estes três conceitos importantes. Caso contrário, nossas explicações cairão no vazio e se perderão no devir da história, por falta de sentido e significado para a maioria dos leitores deste ensaio (...)

Biografia do Autor

Maria Cândida Moraes

Possui Mestrado em Ciências pelo Instituto de Pesquisas Espaciais (1975), título revalidado pela UNICAMP. Doutorado em educação (currículo) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1996). Professora aposentada do Programa de Pós-Graduação em Educação na Universidade Católica de Brasilia. Pesquisadora do grupo internacional consolidado de pesquisa GIAD da Universidade de Barcelona de 2002 a 2014. Foi professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, por mais de 10 anos. Assessora de Planejamento do Ministério da Educação e do Ministério do Planejamento. É pesquisadora do CNPq e foi pesquisadora da CAPES. Foi também pesquisadora - visitante da OEA (em Washington), pesquisadora e professora visitante da Universidade de Barcelona de 2002 a 2015. É coordenadora adjunta da Rede Internacional de Ecologia dos Saberes -RIES da Universidade de Barcelona, além de conferencista nacional e internacional, tendo proferido mais de duas centenas de conferências em sua área de atuação. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em fundamentos da educação, atuando principalmente nos seguintes temas: epistemologia, paradigma, complexidade, transdisciplinaridade, ecoformação. Em 2019, recebeu o Prêmio Ricardo Marin, da Associação de Criatividade da Espanha -ASOCREA, por suas contribuições à área.

Referências

ALENCAR, E. M. L. Soriano de; FLEITH, D. de S. Contribuições teóricas recentes ao estudo da criatividade. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 19, n. 1, p. 1-8, jan./abr. 2003. Disponível em: Acesso em: 21 fev. 2018. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722003000100002.
AMABILE, T. M. Como (não) matar a criatividade. HSM MANAGEMENT. Ano 2, n.12 pg 111-6, Jan/Fev 1999.
BOFF, L. Ecologia, mundialização, espiritualidade: A emergência de um novo paradigma. São Paulo: Ática, 1993.
BÖHM, D. A ordem implícita e a ordem super-ímplicita. In: (org.) WEBER, R. Diálogos com cientistas e sábio: a busca da unidade. São Paulo: Cultrix, 1991.
BÖHM, D. A totalidade e a ordem implicada: uma nova percepção da realidade. São Paulo: Cultrix, 1992.
CORBI, M. Hacia una espiritualidad laica: sin creencias, sin religiones, sin dioses. Barcelona: Herder, 2007.
CSIKSZENTMIHALY, M. Society, culture, and person: a systems view of creativity. Em R. J. Sternberg (Org.), The nature of creativity (pp. 325-339). New York: Cambridge University Press, 1988.
CSIKSZENTMIHALY, M. Creativity. New York: HarperCollins, 1996.
CSIKSZENTMIHALY, M. Fluir: Una psicología de la felicidad. Barcelona: Editorial Kairós, 1999.
DITTRICH, M. G. Arte e criatividade, espiritualidade e cura: a teoria do corpo-criante. Blumenau/SC: Nova Letra, 2010.
HERRÁN GASCÓN, A. de la. Contribución al concepto de creatividad: un enfoque paquidérmico (1ª parte). Educación y futuro, v.21, p.43-70, 2009.
HEISENBERG, W. Teoria, crítica e uma filosofia, In A. Salam, W. Heisenberg, P. Dirac, A unificação das forças fundamentais: O desafio da física contemporânea, Rio de Janeiro: Zahar Ed. 1993.
LUKACS, J. Heisenberg's recognitions: The end of the scientific world view, In J. G. Burke, Cience y culture in the western tradicion: Sources and interpretations, p.257-261. Scottsdale, AZ:Gorsuch Scarisbrick Publishers, 1987.
MASLOW, M. El hombre autorrealizado: Hacia una psicología del ser. Buenos Aires: Troqvel/Kairós. 1993.
MATURANA, H. A ontologia da realidade. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1999.
MATURANA, H.; DÁVILA, X.Y. El árbol del vivir. Santiago/Chile: MVP Editores/Escuela Matriztica, 2015.
MAY, R. A coragem de criar. Rio de Janeiro: Nova fronteira, 1982.
MITJÁNS, A. Criatividade, personalidade e educação. Campinas/SP: Papirus, 1997.
MORA, F. Continuum: ¿Como funciona el cerebro? Madrid: Alianza Editorial, 2002.
MORAES, M. C. Paradigma Educacional Emergente. Campinas/SP: Papirus, 1997.
MORAES, M. C. Ecologia dos saberes. Complexidade, transdisciplinaridade e educação. Novos fundamentos para iluminar novas práticas educacionais. São Paulo: Willis Harman House/Antakarana. Brasil, 2008.
MORAIS, R. Espiritualidade e educação. Campinas/SP: Centro espírita Allan Kardec: Departamento Editorial, 2002.
MORIN, E. O Paradigma perdido: a natureza humana. Sintra/Portugal: Publicações Europa América, 1990.
¬¬¬ MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Lisboa: Instituto Piaget, 1995.
MORIN, E. Epistemologia da complexidade. In: (org.) SCHNITMAN, D. F. Novos paradigmas e cultura e subjetividade. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.
MORIN, E et al. O problema epistemológico da Complexidade. Sintra/Portugal: Publicações Europa-América, 1996.
MORIN, E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.
MORIN, E. O Método 01: A natureza da natureza. Sintra: Publicações Europa-América, 1997.
MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.
MORIN, E. Complejidad restringida y complejidad generalizada o las complejidades de la complejidad. Revista Utopía y Praxis latinoamericana, julio-septiembre, año/vol12, N. 12. Universidad del Zulia, Maracaibo. Venezuela. Pp.107-119; 2007. http://redalyc.uaemex.mx/src/inicio/ArtPdfRed.jsp?iCve=27903809. Acessado em 17/07/2010.
NICOLESCU, B. "Um novo tipo de conhecimento - transdisciplinaridade. In: Educação e transdisciplinaridade I. Brasília: UNESCO, 1999.
NICOLESCU, B. Ciência, sentido e evolução: a cosmologia de Jacob Boehme. São Paulo: Editorial Attar, 1995.
NICOLESCU, B. O Manifesto da Transdisciplinaridade. São Paulo: Triom, 2001.
NICOLESCU, B. Educação e transdisciplinaridade ll. Brasília: UNESCO, 2002.
NICOLESCU, B. Nós, a partícula e o universo. Lisboa: Esquilo Edições. 2005.
NICOLESCU, B. Transdisciplinariedad: Pasado, presente y futuro. In: ESPINOSA, A. C.; GALVANI, P. (coord.), Transdisciplinariedad y formación universitaria: teorías y prácticas emergentes. Puerto Vallarta: CEUArkos, 2014.
OSTROWER, F. Criatividade e processos de criação. Petrópolis: Editora Vozes, 1987.
OTTO, R. O sagrado. Lisboa: Edições 70, 1992.
PAUL, Patrick. Formação do sujeito e transdisciplinaridade: história de vida profissional e imaginal. São Paulo: Trion, 2009.
PAUL, Patrick. Saúde e transdisciplinaridade. São Paulo: EDUSP, 2013.
PRIBRAM, Karl. Qual a confusão que está por toda a parte. In: (org.) Wilber, K. O paradigma holográfico e outros paradoxos: uma investigação nas fronteiras da ciência. São Paulo: Cultrix, 1991.
PRIGOGINE, I. O reencantamento da natureza. In Renée Werber (org), Diálogos com cientistas e sábios: A busca da unidade perdida. São Paulo: Cultrix, 1986.
PESSIS-PASTERNAK, G. Ilya Prigogine: Arquiteto das estruturas dissipativas, in G. Pessis-Pasternak, Do
Caos à Inteligência Artificial: quando os cientistas se interrogam. São Paulo: UNESP, 1993.
PRIGOGINE, I. O fim da ciência, In D. F. Schnitman, Novos paradigmas, cultura e subjetividade, Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.
RIBEIRO, O.; MORAES, M. C. Criatividade em uma perspectiva transdisciplinar: rompendo crenças, mitos e concepções. Brasília: UNESCO/Líber livro, 2014.
SAKAMOTO, C. K. Criatividade: uma visão integradora. In: Psicologia: teoria e prática, 2(1), p.50-58, 2000.
SHELDRAKE, R. La nueva ciencia de la vida. Barcelona: Kairós, 1990.
SHELDRAKE, R. O renascimento da natureza. São Paulo: Cultrix, 1991.
STERNBERG, R. The Nature of Creativity. In: Creativity Research Journal, 2006, Vol. 18, No. 1, 87-98.
TORRANCE, E. Criatividade: medidas, testes e avaliações. São Paulo: Ibrasa, 1976.
TORRE, S. de la. Dialogando com a criatividade. São Paulo: Madras, 2005.
TORRE, S. de la; VIOLANT, V. Comprender y evaluar la creatividad: como investigar y evaluar la creatividad. Málaga: Ediciones Aljibe, 2006.
TORRE, S; GONZALEZ, M. Los escenarios, una estrategia formativa. En Torre, Pujol y Sanz (Coord) Transdisciplinariedad y ecoformación. Madrid: Universitas, 2007.
TORRE, S. Campos de energía: Abriendo una puerta a la Transdisciplinariedad Creadora. Recrearte: Revista de Creatividad Total. Santiago de Compostela/ES, http://www.iacat.com/revista/recrearte/recrearte07/Seccion1/1.%20Torre%20Camposenergia%2011marz07.pdf. Acessado em janeiro de 2019.
VERLUIS, A.; NICOLESCU, B. Transdisciplinariedad y consciencia: hacia un modelo integrado. I Javier Collado Ruano et al. (orgs.). Revista Científica de Investigación Educativa de la UNAE. N. 03, 2018. Pp17-36.
VERSYP, T. La dimensión cuántica: de la física cuántica a la conciencia. Barcelona: Cargrafics. 3ª. ed. 2006.
VÖN FORSTER, H. Construindo uma realidade. In: (org.) WATZLAWICK, P. A realidade inventada. São Paulo: Editorial Psy, 1974.
WERBER, R. Diálogos com cientistas e sábios: A busca da unidade perdida. São Paulo: Cultrix, 1986.
WEBER, R. O universo que dobra e desdobra: uma conversa com David Böhm. In: (org.) WILBER, K. O paradigma holográfico e outros paradoxos. São Paulo: Cultrix, 1991.
WECHSLER, S. M. Issues on stimulating creativity in the schools: a south american perspective. In: ISAKEN, Scott G. et al. Nurturing and Developing creativity: the emergence of a discipline. New Jersey: Ablex Publishing Corporation, 1993.
Publicado
2019-09-14
Seção
Artigos